MDB elege João Arruda e se prepara para eleições municipais

joao-eleito

O novo presidente do MDB do Paraná, o deputado federal João Arruda, vai começar pelos municípios a reestruturação do partido. A meta é ter candidatos a prefeito na maioria das cidades.

Arruda foi eleito nesse sábado (15) em um diretório que reúne novas lideranças e líderes históricos do partido, como o senador Roberto Requião e todos os demais ex-presidentes: Nivaldo Kruger, Milton Buabssi, Dobrandino da Silva, Renato Adur e Waldir Pugliesi. A chapa de consenso conta com os deputados federais Hermes Parcianello e Sergio Souza, os deputados estaduais Anibelli Neto, Nereu Moura e Requião Filho, prefeitos, ex-prefeitos e vereadores de todo o Estado.

O trabalho inicial de Arruda e da Comissão Executiva será na organização do partido nas cidades. Há alguns anos, o antigo PMDB chegou a ter diretórios eleitos nos 399 municípios paranaenses, um feito único.

Hoje, o partido conta com 70 prefeitos. “Com essa base, vamos incentivar o lançamento de candidaturas próprias em todas os municípios, principalmente nas grandes cidades”, disse Arruda. O partido também vai começar desde já a formação de chapas completas, já que 2020 é a primeira eleição sem coligação proporcional, no caso, para vereadores.

Novos quadros

De acordo com João Arruda, a nova direção do partido vai percorrer o Paraná na organização dos diretórios municipais ao mesmo tempo em que elabora programas para as cidades com base nas experiências bem-sucedidas do MDB e em novos conceitos de governança.

Em sua campanha a governador em 2018, João Arruda pode conhecer com profundidade e propor políticas para o Estado e para as cidades. Seu programa de governo foi destaque no meio de campanhas milionárias por suas propostas de fortalecimento da gestão e políticas públicas voltadas à população que mais necessita.

“Nós precisamos reorganizar o partido no Paraná. E em nível nacional, exatamente pelo que vivemos na última eleição, que foi muito nacionalizada, é preciso também fazermos uma reestruturação”.

“Novos quadros, novos nomes. O MDB precisa, apesar de sua história, de sua trajetória em defesa da democracia que é muito bonita, nascer de novo, diria. Precisa recomeçar com novos nomes, com novas pessoas”, afirmou.

Convenção

Na convenção deste dia 15, em Curitiba., foram eleitos os 71 membros do diretório estadual (27 suplentes), 12 delegados à convenção nacional (12 suplentes), sete membros da comissão de ética e disciplina (sete suplentes) e cinco membros do conselho fiscal (cinco suplentes).

O Diretório elegeu a Comissão Executiva, que comandará o partido pelos próximos dois anos. Confira:

Presidente: João Arruda
Vice: deputado Anibelli Neto
2º vice: Nereu Moura
3º vice: Walter Parcianello
Secretário-geral: deputado Requião Filho
Secretário adjunto: Isaías Decker “Zazá”
Tesoureiro: Daniele de Mello e Silva
Tesoureiro-adjunto: Paulo Furiatti
Vogais:
Roberto Requião
Deputado Sérgio Souza
Junior Weiller (prefeito de Jesuítas)
Nello Morlotti
Suplentes:
Angelo Andreatta
Gerson Colodel
Beto Lunitti
Roberto Bállico

Requião

Em relação à política nacional, Requião deu o tom de oposição ao governo Bolsonaro. De acordo com Requião, a população vai entender logo que o neoliberalismo do futuro ministro Paulo Guedes representa a continuidade do governo Temer, e a rejeição do atual governo, que hoje é de 85% fará a popularidade de Bolsonaro despencar.

“Em 3 ou 4 meses, a população vai entender que, na prática, Bolsonaro e Temer são a mesma coisa”, disse o senador. “Não vacile o MDB”, sentenciou, defendendo que o partido fique firme na crítica ao neoliberalismo, contra as privatizações, o arrocho aos trabalhadores e a redução das políticas sociais que o novo governo deve adotar.

O ex-presidente Wadir Pugliesi e o deputado Anibelli Neto reforçaram a importância do MDB se manter na resistência ao atraso que o novo governo representa.