RATINHO JUNIOR TAMBÉM PODE SER RESPONSABILIZADO POLITICAMENTE PELO MASSACRE DE 29 DE ABRIL, DIZ TRE

arruda rato

RATINHO JUNIOR TAMBÉM PODE SER RESPONSABILIZADO POLITICAMENTE PELO MASSACRE DE 29 DE ABRIL, DIZ TRE

 

O candidato a governador Ratinho Junior também pode ser responsabilizado politicamente pelo massacre de professores, ocorrido em frente ao Palácio Iguaçu, no dia 29 de abril de 2015, no segundo mandato do ex-governador e candidato ao Senado, Beto Richa.

 

A afirmação é do Desembargador Tito Campos de Paula, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PR), no julgamento do mérito da ação movida por Ratinho, contra vinheta de João Arruda, candidato a governador do MDB, levada ao ar no horário político eleitoral.

 

Na sentença, Tito de Paula julgou improcedente a ação de Ratinho Junior. “Na linha de entendimento do Tribunal Superior Eleitoral, o exercício de direito de resposta, em prol da liberdade de expressão, é de ser concedido excepcionalmente”, anotou o desembargador.

 

“Viabiliza-se apenas quando for possível extrair, da afirmação apontada como sabidamente inverídica, ofensa de caráter pessoal a candidato, partido ou coligação”, completou Tito de Paula, reafirmando em seu despacho que o “direito de resposta não se presta a rebater a liberdade de expressão e de opinião, inerentes à crítica política e ao debate eleitoral”.

 

“Secretário forte”

A vinheta questionada mostra o Palácio Iguaçu e a poucos metros, a Secretaria de Desenvolvimento Urbano, comandada por Ratinho Junior. “Em outro prédio, bem perto, a Secretaria de Segurança e outra Secretaria, a de Ratinho Junior, secretario forte do governo Richa. Na praça, duzentos e treze feridos pelas bombas e tiros do governo”, diz o narrador.

 

No despacho, o desembargador reforçou o argumento de que não existe irregularidade que possa justificar “a divulgação de conceito, imagem ou afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou sabidamente inverídica, a justificar o direito de resposta (…) a improcedência do pedido é medida que se impõe”, ressaltou.

 

Tito de Paula acatou integralmente o argumento do mandato de defesa do Jurídico da campanha de João Arruda e Professora Eliana Cortez, de que, mesmo sendo “secretário forte” de Beto Richa, Ratinho não se manifestou na ocasião, deixando para fazê-lo três anos após, quando já estava em campanha para o governo.

 

O desembargador também revogou liminar concedida anteriormente em favor de Ratinho Junior, contra a vinheta da candidatura de João Arruda a e Professora Eliana Cortez. O TRE-PR já havia revogado a liminar concedida anteriormente em favor de Ratinho Junior, em decisão do desembargador Wowk Penteado.

 

Foto legenda (ratinho forte)

“Outra Secretaria, a de Ratinho Junior, secretario forte do governo Richa. Na praça, duzentos e treze feridos pelas bombas e tiros do governo”, diz a narrativa da vinheta