SENADOR REQUIÃO PARTICIPA DE ATO EM DEFESA DA SOBERANIA NACIONAL NA CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAVEL

requião cascavel

SENADOR REQUIÃO PARTICIPA DE ATO EM DEFESA DA SOBERANIA NACIONAL NA CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAVEL – ### –

 

Foi com o plenário cheio que o ato em defesa da soberania nacional foi realizado na Câmara Municipal de Cascavel, na noite da última sexta-feira (06). O evento, que foi convocado pelo vereador Paulo Porto e a Frente Brasil Popular, contou com a participação do senador Roberto Requião, que traçou uma análise da atual conjuntura do país. Estiveram presentes no evento: a vereadora de Toledo pelo PCdoB, Marli Gonçalves Costa; reverendo Luiz Carlos Gabas, representando a Frente Brasil Popular; o vereador de Cascavel Madril (PMB); e o presidente interino do PT Cascavel, Luis Bassaqui.

 

Em sua fala, de pouco mais de uma hora, o senador explicou sobre o projeto de liberação do capital financeiro que assola o país e de que forma isso tem refletido na vida da população. De acordo com Requião, os detentores do dinheiro se suportam em um tripé formado pelo liberalismo econômico, o financiamento dos partidos políticos e candidaturas pelo capital privado e a precarização do trabalho e da hegemonia do capital financeiro.

 

“Esse tripé vem se espalhando pela financeirização da política e das administrações públicas e pela maneira de administrar países. O capital é bom quando gera empregos, quando faz que a tecnologia avance, mas o capital não pode dominar o mundo. Não se pode servir a Deus e a Mamom. E Mamom não é nenhum outro deus e nem o diabo, é uma palavra hebraica que significa dinheiro. Não se pode servir ao povo, ao desenvolvimento social e ao capital financeiro”, disse.

 

Segundo Requião, no Brasil a liberação econômica é proposta, por exemplo, através da supressão absoluta da participação do estado e da venda de terras brasileiras sem limite de tamanho para o capital estrangeiro. “Esta ideia está associada ao fim da CLT, o que, necessariamente, nos leva a uma crise. Mas vemos pessoas trocando seus direitos trabalhistas por uma ambulância, um trator”, disse. O senador concordou que a lei trabalhista precisava de ajustes, no entanto segundo ele, o que ocorreu foi o desmonte dos direitos trabalhistas no Brasil.

 

“Em tempo de golpe, nesse momento de severos ataques ao estado de direito e a todas as conquistas sociais é fundamental nos posicionarmos em relação a isso”, destacou o vereador. Porto reforçou que, neste sentido, uma das vozes mais contundentes, que vêm denunciando estes ataques e, em especial, a soberania nacional, é a voz do senador Requião. “Por isso, mais do que nunca é importante ouvi-lo. E em conjunto com os movimentos sociais do campo progressista, entidades e partidos, buscamos alternativas para que a gente possa contrapor este golpe, que vem ameaçando a dignidade dos brasileiros e o projeto de um país soberano”, reforçou Paulo Porto.

 

De acordo com Requião, é essencial que, no atual momento político, se proporcione ambientes de debate e formação política, de modo a atingir o maior número possível de pessoas. “É preciso ampliar e enriquecer o debate. Por isso estou aqui hoje, uma sexta-feira, dia de jogo do Brasil”, afirmou.

 

Assessoria do vereador Paulo Porto/CMC