PMDB-PR CRESCE E PASSA A COMANDAR 78 PREFEITURAS E ELEGE 465 VEREADORES NO ESTADO

prefeitos-eleitos-pmdb

O PMDB do Paraná ampliou em 21 prefeituras e chegou a 78 prefeitos eleitos no Paraná. Partido recebeu 619.390 votos para candidatos a prefeito em todo o estado. É o partido que mais elegeu prefeitos e prefeitas no estado, com crescimento de 36%. Também foram eleitos 45 vice-prefeitos. Ao todo o PMDB-PR conseguiu eleger 465 vereadores no Paraná, sendo que foram 464.631 votos para vereadores do partido em todo o estado.

 

O secretário-geral da sigla no estado, deputado João Arruda (PMDB), faz balanço positivo das eleições para a agremiação. “Houve uma reprovação geral dos candidatos do governador Beto Richa, que sequer conseguiu reeleger o primo [Gustavo Richa] vereador de Londrina”, comparou o peemedebista.

 

No Brasil, o PMDB venceu em 1.027 municípios e se mantém com o maior número de prefeituras do país. Desde 2012, o PMDB administrava 1.015 municípios, obtendo um crescimento de 1,2% este ano. O partido ainda vai disputar 14 prefeituras no segundo turno, sendo seis capitais.

 

Nesse primeiro turno, o PMDB obteve 14.870.849 votos para prefeito em todo o país, superando os 13.950.804 obtidos nas eleições municipais de 2012. Os candidatos peemedebistas a vereador receberam um total de 9.928.365 votos.

 

O PMDB é o partido que mais elegeu prefeitos em 12 estados, se mantendo como a maior força política das eleições municipais. Em Minas Gerais, o partido cresceu 40% e somou 47 prefeituras em relação às eleições anteriores. O crescimento também foi grande no Paraná, onde o PMDB irá administrar 20 prefeituras a mais a partir de 2017.

 

O maior crescimento proporcional foi no Pará (55%) e em Alagoas, onde o partido elegeu 52% a mais de prefeitos. Os estados de Sergipe e Pernambuco terão o dobro de prefeitos peemedebistas no ano que vem. No Ceará o crescimento também foi bastante expressivo.

 

 

Confira a quantidade de prefeitos eleitos pelo PMDB em cada estado e a colocação do partido em relação às demais siglas:

 

Rio Grande do Sul: 129 prefeitos, 3 a menos que em 2012, ficando em segundo lugar.

 

Santa Catarina: 98 eleitos, 8 a menos que em 2012, mas mantendo o primeiro lugar.

 

Paraná: somou 20 prefeituras e chegou a 77 eleitos, se mantendo em primeiro no estado.

 

São Paulo: 82 prefeituras, apenas uma a menos que em 2012, sendo o segundo colocado.

 

Rio de Janeiro: perdeu 3 prefeituras em relação a 2012, mas ficou em primeiro com 18 eleitos.

 

Espírito Santo: elegeu dois prefeitos a mais e chegou a 16 prefeituras, em primeiro lugar.

 

Minas Gerais: conquistou 164 prefeituras, 47 a mais que em 2012, ficando em primeiro lugar.

 

Mato Grosso do Sul: venceu em 17 municípios, mas perdeu 6 prefeituras, sendo o segundo colocado.

 

Goiás: com menos 14 prefeituras, venceu em 42 cidades e ficou em segundo lugar.

 

Mato Grosso: venceu em 15 cidades, 14 a menos em nas eleições anteriores, terceiro lugar.

 

Bahia: somou 2 prefeituras em relação a 2012 e ficou com 47, em terceiro lugar no estado.

 

Sergipe: conquistou o dobro de prefeituras, chegando a 16, em primeiro lugar.

 

Alagoas: elegeu 38 prefeitos, 13 a mais que em 2012, se mantendo em primeiro lugar.

 

Pernambuco: dobrou o número de prefeituras, elegendo 16 prefeitos, mas ficou em quinto lugar no estado.

 

Paraíba: venceu em 31 cidades, 26 a menos que nas eleições anteriores, ficando em terceiro lugar.

 

Rio Grande do Norte: conquistou 41 prefeituras, 9 a menos que em 2012, segundo colocado.

 

Ceará: aumentou 6 prefeituras, chegando a 27, e ficou em segundo lugar no estado.

 

Piauí: venceu em 21 cidades, 4 a menos que nas eleições anteriores, e foi o quinto colocado.

 

Maranhão: ficou com 22 prefeituras, 25 a menos que em 2012, ficando em quarto lugar.

 

Tocantins: elegeu 27 prefeitos, 3 a mais que nas eleições anteriores, ficou em segundo lugar.

 

Pará: se manteve na primeira colocação com 42 prefeitos eleitos, 15 a mais que em 2012.

 

Amapá: é o primeiro colocado no estado, com 3 prefeitos eleitos, um a mais que em 2012.

 

Amazonas: elegeu 18 prefeitos, aumentando 1 em relação a 2012, ficou em primeiro lugar.

 

Roraima: manteve 2 prefeituras e permaneceu em primeiro lugar no estado.

 

Rondônia: elegeu 12 prefeitos em 2016, 3 a menos que em 2012, e ficou em primeiro lugar.

 

Acre: elegeu 2 prefeitos a mais e ficou com 6 prefeituras, em primeiro lugar no estado.