COMERCIANTES DE PINHAIS PRECISAM DE APOIO NO ENFRENTAMENTO DA GRAVE CRISE ECONÔMICA

marcia ferreirax

A Vereadora Márcia Ferreira destacou a necessidade do que o poder público desenvolva ferramentas que auxiliem os comerciantes de Pinhais no enfrentamento da atual crise econômica brasileira

“Na última quarta-feira, 13 de abril, os comerciantes da Av. Iraí fecharam as portas em sinal de protesto contra a corrupção e a crise econômica que tem arrochado a renda  dos trabalhadores, reduzido o poder de compra e elevando a taxa o desemprego, nos levando a um progressivo estágio de degeneração social, que inclusive aumenta as taxas de criminalidade e dificulta ainda mais a vida do pequeno comerciante, que tem diariamente sofrido com roubos e com a sensação de insegurança. Insegurança, essa é a palavra que define o momento vivido em nosso comércio, insegurança em relação a criminalidade e insegurança em relação ao futuro. A corrupção é um mal que afeta nossa nação. Quem paga a conta dos rombos nos cofres públicos são as empresas e a população trabalhadora quem tem pago cada vez mais impostos e tem cada vez menos acesso a serviços públicos de qualidade”.

 

FATURAMENTO COMPROMETIDO

Ainda comentando a difícil situação do comércio em Pinhais, a Vereadora comentou a situação econômica da maior parte do comércio local “Nossos comerciantes sofrem com quedas em suas receitas e com aumentos de despesas e veem, cada dia mais, seu orçamento comprometido.

É preciso dialogar com os Comerciantes de Pinhais e pensar em projetos, campanhas e soluções que estimulem o consumo em nossa cidade para que a moeda gire dentro do nosso município e para que possamos gerar empregos e desenvolver nossa economia.

Segundo o SEBRAE, os pequenos negócios respondem por mais de um quarto do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Cerca de 9 milhões de micro e pequenas empresas no País juntas representam 27% do PIB. As micro e pequenas empresas são as principais geradoras de riqueza no comércio e respondem por 53,4% do PIB deste setor.

Em Pinhais nosso comercio é formado basicamente por esse segmento e precisamos estar próximos deles, estando atentos às suas necessidades e dialogando para buscar soluções em conjunto”, destacou.